Nostalgia do mestre artesão

R$39,00

ou em até 2x de R$19,50 sem juros.

As palavras corporação, artesanato, ofício, mestre e aprendiz são de uso corrente nos meios educacionais projetando-se no imaginário de professores e alunos como algo referido à Idade Média e que, na forma do trabalho artesanal, teve continuidade na tradição popular. De modo geral, porém, a maioria das pessoas não chega a fazer uma idéia mais precisa do caráter e significado histórico do artesanato e, menos ainda, do seu desenvolvimento interno. A obra Nostalgia do Mestre Artesão vem, pois, preencher uma lacuna tornando acessível aos estudiosos da educação e ao público em geral o conhecimento do trabalho artesanal tanto em seu significado histórico mais amplo como na particularidade do modo como operavam cotidianamente os mestres artesãos, associando-se para resguardar suas prerrogativas e privilégios. Partindo da constatação e caracterização do fenômeno da nostalgia que expressa o fascínio exercido pelo artesanato mesmo sobre os espíritos mais progressistas (Introdução), são explicitadas suas origens medievais (Capítulo I) assim como sua inserção no desenvolvimento mercantil com uma cultura e educação específicas (Capítulo II) que se complexifica diferenciando-se os personagens, os itinerários formativos e os dispositivos institucionais (Capítulo III) até sucumbir sob o domínio da manufatura e da produção industrial generalizada (Capítulo IV), sobrevivendo, porém, na simbologia de que se impregna suas formas exteriores já agora despidas de seu conteúdo originário (Capítulo V). Eis, de modo bastante sintético, a trajetória do artesanato tal como reconstruída meticulosamente por Antonio Santoni Rugiu em Nostalgia do Mestre Artesão.

0 em estoque

REF: 85-85701-57-9 Categoria:

Descrição

As palavras corporação, artesanato, ofício, mestre e aprendiz são de uso corrente nos meios educacionais projetando-se no imaginário de professores e alunos como algo referido à Idade Média e que, na forma do trabalho artesanal, teve continuidade na tradição popular. De modo geral, porém, a maioria das pessoas não chega a fazer uma idéia mais precisa do caráter e significado histórico do artesanato e, menos ainda, do seu desenvolvimento interno. A obra Nostalgia do Mestre Artesão vem, pois, preencher uma lacuna tornando acessível aos estudiosos da educação e ao público em geral o conhecimento do trabalho artesanal tanto em seu significado histórico mais amplo como na particularidade do modo como operavam cotidianamente os mestres artesãos, associando-se para resguardar suas prerrogativas e privilégios. Partindo da constatação e caracterização do fenômeno da nostalgia que expressa o fascínio exercido pelo artesanato mesmo sobre os espíritos mais progressistas (Introdução), são explicitadas suas origens medievais (Capítulo I) assim como sua inserção no desenvolvimento mercantil com uma cultura e educação específicas (Capítulo II) que se complexifica diferenciando-se os personagens, os itinerários formativos e os dispositivos institucionais (Capítulo III) até sucumbir sob o domínio da manufatura e da produção industrial generalizada (Capítulo IV), sobrevivendo, porém, na simbologia de que se impregna suas formas exteriores já agora despidas de seu conteúdo originário (Capítulo V). Eis, de modo bastante sintético, a trajetória do artesanato tal como reconstruída meticulosamente por Antonio Santoni Rugiu em Nostalgia do Mestre Artesão.

Informação adicional

Peso 0.23 kg
parcelas

sinopse

indice

Informações do Autor

Autor

Nº de Páginas

Nº da Edição

Dimensões

Ficha Técnica

isbn

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Nostalgia do mestre artesão”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *